Elevando-se sobre Los Angeles estão dois elementos que capturam suas contradições impossíveis, o estranho e selvagem contraste que faz a cidade tão sedutora: palmeiras, referência ao verão e ao sol e ao eterno paraíso; e as Linhas de Força, incorporando uma eletricidade volátil e indomada. No seu próximo álbum “Palmtrees & Powerlines”, o produtor e DJ belga, Netsky, interliga ambos os lados de L.A., revelando a rara complexidade da sua música.

Numa parceria única, do género entre a Republic Records e a Casablanca Records, o álbum de Netsky abrange, simultaneamente, uma marca infecciosa de pop (em Palmtrees) e mostra sua ingenuidade ao quebrar regras como um criador de faixas de clube (em Powerlines). O resultado marca o início de uma nova e emocionante era para Netsky, que injeta o mundo pop com a sua voz, instantaneamente, possante, vinda, diretamente, do subterrâneo.

Apesar da sua energia radiante – e a sensação otimista do seu sigle de sucesso “Téquila limonada” – as raízes de Palmtrees & Powerlines marcam uma mudança de vida trágica para Netsky: a morte de seu querido pai, no início de 2017. “O meu pai sempre foi uma grande inspiração para mim e para a minha música”, diz Netsky, também conhecido como Boris Daenen. “Ele adorava colecionar discos, e eu apaixonei-me pelo soul, jazz e funk através de sua coleção de discos. Quando ele faleceu, eu decidi afastar-me da música por um tempo para viajar e tentar limpar a minha mente. ”

Depois de mudar o seu número de telefone e partilhando a sua informação com os seus três amigos mais próximos, Daenen foi para o oeste e, em junho de 2017, acabou em L.A. Durante este período, fez uma sessão de quatro horas com os produtores noruegueses Stargate (Beyoncé, Rihanna, Coldplay) e sentiu, imediatamente, uma conexão criativa com a dupla. “Eu queria obter um feedback do Stargate sobre a minha música, mas uma sessão transformou-se numa grande amizade e no início do meu álbum”, diz Daenen. “De repente senti-me pronto para fazer música de novo.”

Não muito tempo depois de se juntar a Stargate, que o recebeu no seu estúdio em Veneza, Daenen começou a experimentar a criação de músicas pop. “Conhecer o Stargate inspirou-me a tentar novas direções na minha música”, diz ele. “Comecei a estar muito mais envolvido com a escrita de letras e descobri as histórias que queria contar.”, acrescenta. “Há algo terapêutico nisso, que é muito diferente de fazer música eletrónica.”

Ao trabalhar de perto com Stargate, nos oito meses passados no seu estúdio, Daenen cruzou caminhos com alguns dos cantores e compositores mais emocionantes da música atual e, rapidamente, descobriu a importância da colaboração. “Eu estava habituado a estar sozinho no estúdio, a trabalhar até as 4h da manhã”, diz Daenen. “Escrever em parceira com outras pessoas, tornou as minhas produções muito mais ricas.” Além de trabalhar com uma série de estrelas musicais, também contracenou com vários artistas vanguardistas de L.A., incluindo o fotógrafo/cinegrafista Diego Andrade e o estilista Alexander Andrew Andrade.

O follow-up único para “Téquila limonada”, uma faixa de Powerlines intitulada “Ice Cold” faz com que Netsky una forças com o produtor David Guetta para criações brilhantes. Ao criar a trilha hipnótica, os dois músicos fundiram uma batida dura e frenética com uma amostra lírica, magistralmente, entrelaçada, tirada do sucesso dos Foreeigners, de 1977, “Cold as Ice”. “ O David estava a tentar cirar uma música há algum tempo e quando eu partilhei a minha ideia, na primeira vez que o conheci, ele ficou entusiasmado”, recorda Daenen.

Em Palmtrees & Powerlines, um álbum executivo produzido por Stargate, Netsky explora incessantemente novos humores e texturas, enquanto destaca a maestria rítmica que colocou o DJ no mais alto ranking de drum ‘n’ Bass, na cobiçada DJ Mag Top 100. Agora, aos 29 anos, Daenen começou a cultivar a sua musicalidade ecléctica. Mas o seu caminho começou cedo, aprendendo bateria quando tinha cinco anos. Por volta dos 17, começou a publicar as suas criações online e DJ-ing pela Bélgica, adotando o apelido de Netsky (o nome de um vírus de computador que apagou todos os seus arquivos do seu primeiro single, que esteve a trabalhar durante um mês). Passado um ano, teve o seu primeiro espetáculo internacional, estabelecendo uma trajetória ascendente e fazendo história como o mais jovem músico premiado na cultura flamenga. Mais tarde, artistas como Ed Sheeran e Dua Lipa procuraram o DJ para fazer remixes das suas músicas, enquanto Netsky lançava um remix com Macklemore do seu hit “Rio”- uma faixa que se tornou um hino não-oficial para os Jogos Olímpicos de 2016.

Conhecido pelas suas performances de destaque em Coachella, Glastonbury, Tomorrowland, Pukkelpop, Netsky criou uma banda ao vivo, em 2012, e desde então atuou com a banda pelo mundo inteiro (incluindo EUA, Austrália, Nova Zelândia e Europa). “A banda ao vivo tem sido muito importante para mim, pois tornou os meus espetáculos mais orgânicos, com cantores e instrumentos ao vivo e um monte de elementos extra que são bastante diferentes das atuações apenas como DJ”, diz Daenen.

Com o lançamento de Palmtrees & Powerlines, Daenen está ansioso para desvendar ainda mais dimensões de sua arte. “Com este álbum, eu quero que as pessoas possam escolher o que querem ouvir com base no humor do momento”, diz Daenen. “Um lado é equivalente a um feriado numa praia ensolarada onde estás a beber um cocktail delicioso. O outro é o lado mais furioso, porque representa a noite ou o fim de semana, e é precisas essa energia. Eu amo trabalhar nestes dois mundos diferentes. Senti que a minha mente se abriu para todas as diferentes possibilidades de criar.”.